sexta-feira, outubro 12, 2007

Perdidamente

"...condensar o mundo num só grito..." (Florbela Espanca)


Trovante

14 comentários:

alexia disse...

O meu primeiro contacto com Florbela Espanca dá uma história de adolescência muito gira mas um pouco escandalosa para contar aqui:).
Pronto...era só mesmo isto que eu tinha para dizer:))

Beijo

Mocho Falante disse...

é de facto um poema e peras que foi super bem orquestrado

beijocas

Maria P. disse...

Nem imaginas como gosto deste "Perdidamente"!
Nestes dias* sabe bem ouvir...tu sabes que sim.

Um beijinho amiga e bom fim-de-semana*

Bruxinhachellot disse...

E num só grito desfaz-te o medo e o mundo passa a ser menos inalcansável.
Conheço pouca coisa dessa autora, mas gosto de sua escrita sofrida.

Beijos rabiscados.

Lapa disse...

There are three kinds of women:

the pretty ones

the ugly ones

and the blondes...


(Trad. by lapa)

Å®t Øf £övë disse...

Alexandra,
Hoje não foi um bom dia para te visitar, porque tenho que te confessar que se há alguém de quem eu não gosto na música portuguesa, esse alguém é o Luis Represas. Mas é como em tudo, gostos não se discutem.
Continuação de bom fds.
Beijinhos.

Rui Caetano disse...

A letra é belíssima, a música que o acompmanha é também divinal. gostei de recordar.

A.J.Faria disse...

Olá, Alexandra!
Um belíssimo tema mesical de Lius Represas, com um poema de Florbela Espanca excepcional!
Bjs

PostScriptum disse...

Era fabulosa, não era? Florbela, claro.
Bjs, Alex.

foryou disse...

Um poema lindo e muito bem musicado. Também gosto :)

Bichodeconta disse...

Parabéns..um abraço, ell

alem horizonte disse...

Florbela , as palavras que cantam ... também assim!
Porque ser-se poeta é ...
(Apeteceu-me reler um pouco)

Gostei!!!
Beijinhos
MJ

Isabel José António disse...

Querida Amiga Alexandra,

Não estamos desaparecidos em combate. O nosso computador pifou de vez e não temos tido "tempo enconómico disponível" para adquirir outro.

Estou aqui num ciber café a postar estes comentários.

De todos os poemas da Florbela Espanca, este talvez seja aquele que, em todos os tempos, melhor define o que é ser poeta.

Ser poeta, ou Místico, ou Músico, ou duma maneira geral, Criativo, é um estado evolutivo que não se adquire por acaso. Há que trabalhar muito para o ser.

Um grande abraço para si e parabéns pelo bom gosto de postar esta música (inspiradíssima) e o vídeo e o poema.

José António

Entre linhas... disse...

Cada vez que ouço este poema fico bastante emocianada,é um verdadeiro hino.
Bjs Zita