domingo, abril 15, 2007

EU... por vezes!

Folheando alguns dos livros em tempos lidos, descobri um excerto que, hoje, achei particularmente relevante:


"Eu quero dormir e não consigo. (...) Eu quero partir e fico. Eu quero morrer e vivo. Eu quero viver e morro devagarinho. Eu quero acordar e durmo. (...) Eu fumo e apetece-me fumar. Eu fumo e não me apetece fumar. Eu falo quando quero estar calado. Eu estou em silêncio quando quero falar. Eu transpiro e está frio. Eu quero amar e não posso. Eu não tenho ar para respirar e no entanto parece que estou vivo. O tempo passa mas eu quero que ele corra e ele não corre. Eu quero paz e tenho guerra. Eu estou na guerra. (...) Choro a rir. Eu quero rir e não consigo. Eu quero ler e as letras desfazem-se em pedaços à minha frente. Eu quero um livro que não existe. (...) Eu fecho os olhos e continuo a ver. Eu abro os olhos e não vejo nada. Eu (...) "

Duarte, Pedro Rolo, in "Sózinho em casa", Oficina do Livro, 2002, pp. 125,126.

(Wim Mertens, Partes extra partes, Al.)

13 comentários:

alexia disse...

Particularmente e relevante, são estas as palavras que particularmente achei relevantes:).
Nós por vezes...

Bjo

cacharel disse...

Por vezes nós queremos tudo e não queremos nada! A chamada contradição dos nossos desejos e sentidos, que nos leva por vezes ao tal desespero sobre tudo!

Eu por vezes... encontro cantinhos como o teu... que me apetece voltar! ;)

Beijinho perfumado e boa semana*

João Cordeiro disse...

Bonita passagem...
Agradeço o teu apoio ao lançamento do meu livro e da realizaçºao do meu sonho.


Beijinho

Pedro Branco disse...

"Não me digas mais nada. Tudo o que quero hoje é que não me digas mais nada. E ficar assim em silêncio a ouvir a tua inquietação..."

Diafragma disse...

A solidão tem estes efeitos secundários. Se calhar tudo mudava se em vez de "sozinho em casa" fosse "acompanhado na rua"

Bia disse...

Sabes fez-me lembrar o antonio variaçoes e a sua tão conhecida música "porque eu sou estou bem onde eu não estou..."
sabes o que eu penso depois de te ler, que nos tudo queremos, e ao mesmo tempo esuqecemo-nos de aproveitar o que temos, por isso não nos encontramos nunca nem connosco nem com nossas vontades...
ás vezes assim me sinto, como se me estivesse a contrariar sem querer mas com a noção dessa mesma realidade.
beijo

Anónimo disse...

Querida Amiga Alexandra,

Tem sido uma complicação para efectuar comentários. Aqui terei de o deixar como anónimo.

Este seu texto de Pedro Rolo Duarte, faz-me lembrar Fernando Pessoa.

Em sua homenagem, deixo-lhe aqui este meu poema:

INCONSISTÊNCIA


Sou o que sou, e nada mais posso ser
Entre o TUDO e o NADA, desencontrado
Não posso estar e não querer ver
Esta ruela é uma vereda, este fado

Se fosse tudo o que queria, assim
Não seria aquilo que hoje não sou
Eterna afirmação negação, não e sim
Sem rumo e errando, a caminho vou

Sou uma porção pequena da matéria
Insuflada pelo espírito em movimento
Alma, raíz, coração, veia e artéria
Entre o coração e a razão, o sentimento

Lisboa, 18/04/2007

José António


Espero que goste e só não fica "alinhado" porque o espaço não o permite.

Um grande Abraço

José António

Bruxinhachellot disse...

Querer nem sempre é poder, mas temos que buscar o que queremos, memso que não conseguimos. Bonito texto, retrata a realidade.

Beijos de Luz.

Pedro Melo disse...

Quero tudo e quero nada... só busco felicidade, aquela que está e não está em mim. é isso que vejo quando estou... sozinho.

João Cordeiro disse...

DESAFIO:

O meu novo livro já tem título. O enigma é saber se alguém acerta, após a leitura da síntese que apresento.
Uma pequena ajuda... a foto... e o texto.
O título está entre "eles"...
O primeiro a acertar, terá como prémio o original devidamente autografado.

João Cordeiro

Isa&Luis disse...

Olá minha querida,

Gostei muito do texto.

Tantas vezes que nos sentimos assim, porque será?

Muitos beijinhos

Isa

redonda disse...

O texto é um bocadinho "heavy" Não quero sentir-me como ele se sentiu.
Gostei muito do quadro.

MARIA VALADAS disse...

O texto está sublime!
Retrata um querer e não querer de qualquer mortal!

Por vezes...sinto- me assim...

Obrigada pela partinha!

Bom fim de semana

Beijinhos da

Maria