sábado, abril 21, 2007

Imagens


Da janela aberta entram som, luz e toda a vista que lhe é permitida.
Deambulando pela casa e abrindo caixas e mais caixas, vai retirando objectos…todos têm a sua história, um passado e agora um presente. Sem pressa retira um a um, lembrando o significado de cada um deles.
Silenciosamente, vai embelezando o que antes era vazio e sem vida.
Sem se aperceber, começa a ouvir os sons provenientes do espaço que a rodeia. Não são os mais agradáveis. Apitos, uma travagem forçada, o vizinho que sai e bate com a porta, o som do elevador subindo e a espera anunciada da mais que provável descida…mas não importa. O que outrora foi desagradável passou a fazer parte do que era desejado.
Cai a noite! Olha pela janela e as luzes da cidade já lhe dão outra aparência. Tudo acalmou… uma nova vida emerge!
Perante a vista que lhe é proporcionada, sorri! Aquelas são as suas imagens preferidas, as formas delineadas pelas luzes direccionadas trazem-lhe à memória imagens de um passado que gosta de lembrar…
Imagem retirada da net

19 comentários:

poeta_silente disse...

Uma das coisas que mais gosto é da sensação de que alguma coisa está diferente... quando mudava de casa, eu costumava sentar à sala e examinar, cuidadosamente a cada detalhe da nova residência. Era um prazer inigualável. Eis que fiz este tipo de experiência 25 vezes, durante minha vida. Já estava profissional em arrumar, encaixotar, desencaixotar.
Bem, amiga... esta sensação é maravilhosa. Gosto muito. E sempre nos dá uma sensação de recomeço... de esperança.
Que tudo se concretize na tua vida.
Beijos ternos.
Miriam
P.S.: Linda foto a tua, na praia. Linda mesmo. Decerto continuas linda. Uma vez bonita... sempre bonita.

Cadinho RoCo disse...

Interessante perceber a relação que há entre a janela aberta fechada e o noso humor.
Cadinho RoCo

Diafragma disse...

Completamente inesperada, esta "mudança". E como adoro mudanças não posso ficar indiferente a este abrir de pacotes. Porque as mudanças são como Estações de Comboio, têm tanto de partida como de chegada, e isso mexe profundamente connosco.
Bem, isto para dizer que gostei imenso deste imprevisto texto.

entre linhas disse...

Texto cheio de imprevistos que marca em simultaneo um ponto de chegada e o ponto partida onde tudo se pode iniciar.

Bom fim de semana

Bjs Zita

un dress disse...

tanta serenidade e aceitação...!





abraçO :)

Daniel Aladiah disse...

Lisboa é linda... (dum portuense)
um beijo
Daniel

Anónimo disse...

Caros amigos,

"José Afonso", figura ímpar da cultura portuguesa, que trilhou, desde sempre, um percurso de coerência na recusa permanente do caminho mais fácil, da acomodação, no combate ao fascismo salazarista e pela liberdade e democracia, é tema de um selo que está em 4º lugar. Precisamos do voto de todos para que se faça um selo em sua memória e em louvor à Liberdade.
Num período de exaltação de valores salazaristas, devemos contrapor com os nossos defensores de Abril!

“Venham mais cinco!!
Traz um amigo também!”


VOTA
[aqui]

Abril, SEMPRE!!

Davide da Costa

Anónimo disse...

aquaduto, ponte 25 abril, Cristo Rei a abraçar a cidade!

Luzes da noite e palavras doces e inteligentes...

galileufigaro

A.J.Faria disse...

Olá, Alexandra!
As mudanças são uma constante em determinados contextos, com o seu impacto negativo e positivo.
Há que saber aceitar esta realidade.
Bjs

Pedro Branco disse...

Abro a minha janela e todaa noite entrou no meu quarto para me aconchegar. Com o seu calor. As suas luzes. Os seus mistérios. Deixei-me ficar de olhos presos nas lagrimas. No tempo que cobre cada canto da cidade. Em cada sopro com que o tempo me vai matando... Mas abro a minha janela na mesma. Só de janela abeta saberemos o valor do lado de cá!

Beijo, Alexandra.

Tozé Franco disse...

A fotografia está excelente. O texto surpreende.
Um abraço.

madrugada disse...

Muito bem!...

É sempre bom ler palavras que nos transportam para algúm lado.

Os meus parabéns.

Luis Mendes

João Cordeiro disse...

Querida Alexandra, agradeço do coração os teus votos de felicidade que me deixaste no meu blog.

Beijinho sonhador

Isabel José António disse...

Querida Amiga Alexandra,

Descreve tão bem aquele ambiente em que estamos e não estamos. Vamos fazendo as coisas, porque temos de as fazer, e só quando paramos, e olhamos à nossa volta com olhos de ver, é que descobrimos que há beleza em toda a parte e em todas as coisas. Na ponte 25 Abril, no livro arrumado na estante; no estuário do tejo; no silêncio da noite ou nos seus ruídos cracterísticos.

Tudo está impregnado desse inconsútil halo que tantas vezes os nossos olhos físicos não captam.

E deixamo-nos invadir por uma paz inaudita. À primeira vista nem acreditamos que essa paz nos esteja a invadir todo o SER.

Muitos parabéns.

Um grande abraço

José António

PS:
Todos os nossos 4 primeiros blogues, têm coisas novas, uma vez que conseguimos resolver mais uma dificuldade que o sistema nos vai colocando. Se quiser ir lá dar uma espreitadela...

RPM disse...

Lisboa....

Cidade-luz!!!

um beijito de amizade, Alexandra

RPM

Lia disse...

Essa janelinha abre um universo de possibilidades e em cada luz podes sempre imaginar uma história.

Gostei de ler-te.

Um beijo

Isa&Luis disse...

Olá menina linda,

Belissima foto.

Uma janela aberta,o libertar de recordações, a serenidade.

Muitos beijinhos

Isa

Bruxinhachellot disse...

Maravilhosa vista! Às vezes temos que fazer algumas mudanças em nossa casa e em nossa vida. Faz-nos bem, acalma e nos faz pensar.

Beijos de fogo.

alexia disse...

Nunca no sentido pejorativo mas há sensações que as vezes invejo...talvez a expectativa que espreita neste post tenha sido o click!




Bj