sábado, agosto 25, 2007

Espelho...

Degas, Toillete, Pastel
Por vezes à noite há um rosto
Que nos olha do fundo de um espelho
E a arte deve ser como esse espelho
Que nos mostra o nosso próprio rosto.
Jorge Borges
Bom fim de semana!

11 comentários:

Maria P. disse...

Espelho meu, espelho meu...
A verdade.

Beijinho e bom fim-de-semana!


P.s. Também adoro a Pedra, devias ver as fotos TODAS que tenho sobre esses elementos cheios de mistério, para mim!
:)

John Lemmos disse...

As vezes olho-me ao espelho... mas não me vejo. Mas é so ás vezes...

Bom fim de semana

**beijo**

Moinante disse...

Lentamente regresso , confesso quem senti alguma saudade deste grande universo de amizade virtual .
Após uma breve leitura , parto , deixando votos de um bom fim de semana .
Até breve

Manuelinho disse...

Muitas vezes, o espelho devolve-nos uma imagem de que não gostamos, não concordas? Deveríamos ser tão mais puros!
Indubitavelmente, gosto de espelhos.
Vou linkar-te, com a tua permissão.
Beijo

Mocho Falante disse...

Boa reflexão sim senhor

beijocas e bom fim de semana

Anónimo disse...

Olá Alexandra,
O espelho vai invadindo a nossa alma...
beijo
isabel

"Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?"
( Cecília Meireles, 1995, p. 63-64)

TINTA PERMANENTE disse...

Esteticamente perfeita esta dualidade criada com a imagem e o texto!...
Abraço.

Bichodeconta disse...

Parabéns. Gostei do que demoradamente estive a ver, a ler..AS FOTOS E AS PALAVRAS NUM CASAMENTO PERFEITO..vOLTAREI.uM ABRAÇO, eLL

alexandrecastro disse...

qdo logo para abertura encontro uma mistura de degas e borges...acredite que ficarei cliente deste muito agradável "cantinho". beijinhos e obg

triliti star disse...

um bom post com dois bons nomes, Degas e Borges.

Pedro Branco disse...

Perto do meu rosto o espelho sorri
Canta-me um olhar que me encanta
Rasga-me um abraço junto a si
E depois adormece-me na sua manta

Perto do meu rosto, à noitinha
Sou de novo mostrado a mim
Pergunto-me pelas marés de cada vinha
Onde bebo o sangue de colorir um jardim

Perto da tela, do mistério da tela
Arraso o meu voo rasante sempre em sobressalto
A cada abertura da tua nobre janela
Onde me deito e me sinto mais alto