quarta-feira, agosto 29, 2007

Desvios.


Viveu pelos caminhos cinzentos, correu, pulou, saltou, gritou, riu... nos brancos bancos, sentou-se, deitou-se, sonhou... em passinhos pequeninos, seguiu até onde a deixaram. Depois... esquerda ou direita? Ops, nem uma nem outra, deixou-se simplesmente levar, carregando bem dentro de si imagens e sensações que não queria perder!

Delas se alimentou até um dia voltar.
Mais uma vez viveu e, sentada, recordava tudo o que havia sido bem guardado. Deslumbrada, nunca pensou que o sonho poderia acabar. Como acabar? Se tinha voltado e conquistado de novo a paz!?

Sem saber como, viu-se de novo afastada. Desviou-se? Desviaram-na? Ou, simplesmente, de novo se deixou levar?...

Foto: Alexandra

14 comentários:

Cadinho RoCo disse...

Que belíssima exposiçõa de algo tão sutil e tão poderoso como é o caso da permissão, quando bem vivida. Deixou-se levar sem ser levada por ninguém. Percebes?
Cadinho RoCo

Maria P. disse...

Ficam as memórias.

Beijinho Amiga*

Anónimo disse...

Memórias...
como eu gostaria de poder apagá-las.
beijo
isabel
"Assim como a memória pode ser um paraíso do qual não podemos ser levados, ela pode também ser um inferno do qual não conseguimos escapar."
--John Lancaster Spalding, Aphorisms and Reflections

Manuelinho disse...

Respondo-te com outra pergunta: diz-me tu...
Beijinhos

Bruxinhachellot disse...

Por não sabermos que direção tomar podemos escolher uma ou seguir nosso instinto, deixando-nos levar.
Pudera ter vivido por caminho multicoloridos e ter tido um guia para que não transitasse em caminhos errados.

Beijos de rosa e sol.

Anónimo disse...

não acredito que não tenhas ido aos pasteis...

brother is wathing you!

alem horizonte disse...

Olá Alexandra,
Desvios...
Gostei muito!
Pela forma como dizendo, não dizes...
Não dizendo, talvez digas!
E os desvios ocorrem de muitas formas, não é?!
Um beijinho,
MJosé

Teresa Duraes disse...

penso que nos acontece com frequência mesmo com os anos a passar... :)

bom fim-de-semana

Cadinho RoCo disse...

Voltei porque bateu saudade.
Cadinho RoCo

Fernando Pinto disse...

«(...) Deslumbrada, nunca pensou que o sonho poderia acabar. Como acabar? Se tinha voltado e conquistado de novo a paz!?

Gostei muito deste pedacinho...

Abraço,
FMOP

Maria P. disse...

Alexandra,

"quase um nocturno" a pensar em belíssimos acordes de guitarra...foi assim.

Bom sábado Amiga*
Bjos.

a.h. disse...

Ola Alexandra
Obrigada pelas tuas palavras.
Não tenho outra forma que não seja por aqui!!!
Eu vi que Noc. nº1 "desapareceu" :(
Sim, minha Amiga, a minha teimosia as vezes resulta...
Já está a tocar de novo!
Descobri um outro "desvio"- este dá musica.
Vai e retira o endereço do video. :)
Um Bom fim de semana
Beijinhos e tudo de bom
mjose

carteiro disse...

São imperevisíveis os ventos que nos levam, empurram ou seguram. Ou que simplesmente batem em nós (como uma carícia) ou nos batem (com desagrado).
Não podemos nós acreditar que o sonho volte?

alexia disse...

Alguns desvios acabam com a nossa paz né?:)

Beijo...