quarta-feira, maio 07, 2008

Acerca da perda.

Fotografia: Susana Carrasco, 1000 Imagens

Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.

Sophia de Mello Breyner Andresen

É um poema lindo, sem dúvida. Mas... neste mundo em que tudo procuramos e, por vezes, nada encontramos, será que algo de nós não se perde também?!

15 comentários:

Manuela disse...

vai-se perdendo umas coisas e ganhando outras :)
Mas perde-se sim... perde-se, eu pelo menos perdi a capacidade de sonhar...

Já não te lia há muito tempo...

beijo meu

Anónimo disse...

Perde-se sim minha linda! Perde-se a juventude, perde-se a inocência, a paciência, um amigo, a ilusão, mas temos que compensar com outras coisas. No fundo é a formula da vida, lutarmos por ganharmos outras coisas e compensar as que perdemos. Acho que sabes a que me refiro. Tenho muitas saudades tuas. Mano.

Maria P. disse...

Perde-Se Sim...

Beijinho(S) Amiga*

Å®t Øf £övë disse...

Alexandra,
Desde que haja sempre a capacidade e a força para se procurar algo mais, para nos auto-conhecermos, e para nos auto-analisarmos, nada se perde. Estaremos sempre a ganhar enquanto seres humanos. Nunca nos podemos esquecer que a vida não é imutável, e que por isso, é que é feita de ciclos, em que quando um acaba temos logo que iniciar o próximo, com toda a alegria, dedicação, convicção, e força.
Beijinhos.

Isabel José António disse...

Querida Amiga Alexandra,

É tão bonito e verdadeiro este poema da Sophia.

"Na Natureza nada se perde, na cria, tudo se transforma"-Lavoisier

Não há perder nem ganhar, a não ser nas mentes comuns, que tudo catalogam, tudo comparam.

As coisas podem mudar de nível, ir parar a outras dimensões, mas nada se perde. Tudo se interrelaciona e tudo encontra o seu afim. Nós somos a realidade e a realidade somos nós. TODOS.

Vives em todas as dimensões
Vives sem pensar porque será
Sem abrirmos nossos corações
A vida nunca se nos abrirá

Vives tentando não pensar!
Não há sequer vida ou morte
Há apenas de dimensão mudar
Há só a INTENÇÃO! Não há sorte!

Não és diferente do que observas
És parte de um TODO integrante
E se a pureza da alma conservas
És TUDO e NADA quântico abrangente

Um grande abraço e parabéns

José António

Maria P. disse...

Beijinho(S) Amiga...

Daniel Aladiah disse...

E também se encontra, Alexandra.
Um beijo
Daniel

carteiro disse...

Por mim, é óbvio que estamos constantemente a perder bocados de nós. Em contrapartida, não há um único dia que passe sem que algo nos preencha mais um pouco, mesmo sem que possamos dar conta disso. No fim de todas as coisas, o ganho é muito maior que a perda. Pena que os nossos olhos sejam tão cegos a isso...
Um beijinho.

DE-PROPOSITO disse...

Trago o terror e trago a claridade,
-------------------
O 'antagonismo' das palavras. Ou então um direito de opção. E cada um escolhe o que pretende; ou terror, ou claridade.
Fica bem.
Felicidades.
Manuel

Teresa Durães disse...

basta pensar que a vida é cheia de ciclos ,mas que tendem para o mesmo ponto

Alexandre Fonseca disse...

ola alexandra...
sinto saudades das tuas visitas ao meu espaço.
perde-se sempre algo, mas ganhas sempre uma coisa. experiencia. que podes conservar para ti, ou partilha- la.
:)
bjinho

Bruxinhachellot disse...

Não dá pra guardar tudo dentro de nós. Iria nos sufocar. Perder faz parte do ciclo da vida.

Beijos de fada.

MªJosé M. disse...

´... É assim mesmo!!

Por vezes perde-se...
Mas nem só de perdas é feito o Viver...
Beijinhos

Anónimo disse...

porque você não pega em lanterna e procura por aí?
Marcus

alexia disse...

Eu perco, perdi!
Há alturas em que algumas perdas me fizeram apreciar as lacunas duma forma mais intensa, isso deve ser bom mas o problema é o momento da perda, a dor daquele exacto momento que tanto pode fazer-nos melhorar como seres humanos como nos pode fazer piorar. Não acho que se ganhe sempre com o que se perde, acho que muitas vezes há perdas irreversíveis e que nos endurecem duma forma trágica e inevitável!
Beijinhos, espero que estejas bem