quinta-feira, agosto 24, 2006

Na areia!


Em mundos de fantasia, acompanhada por uma leve brisa, a que se junta o som das doces ondas que se espalham pelo areal deixando o reflexo da luz que, gradualmente desaparece ...
Tarde no mar
A tarde é de oiro rútilo: esbraseia.
O horizonte: um cacto purpurinhi.
E a vaga esbelta que palpita e ondeia,
Com uma frágil graça de menino,
POusa o manto de arminho na areia
E lá vai, e lá segue o seu destino!
E o sol, nas casas brancas que incendeia.
Desenha mãos sangrantas de assassino!
Que linda tarde aberta sobre o mar!
Vai deitando do céu molhos de rosas
Que Apolo se entretem a desfolhar...
E, sobre mim, em gestos palpitantes,
As tuas maõs morenas, milagrosas,
São as águas do sol, agonizantes...
Florbela Espanca, Sonetos, pp122

21 comentários:

Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Amo Florbela...

Linda...
Artista com uso das palavras, fazendo delas o espelho dos sentimentos...

Beijinhos,
Cris

antonior disse...

Olá, Alexandra!

Aqui vamos encontrando sempre "molhos de rosas
Que Apolo se entretem a desfolhar..."

Florbela, ela ontem e hoje, uma sensibilidade transposta e transportada com delicadeza e sensibilidade.

Beijinhos

DE PROPOSITO disse...

A magia dos poemas de Florbela Espanca. E para ti também uma caixa cheia de palavras mágicas.
Fica bem.
Manuel

isabelnurse disse...

Olá Alexandra, Cá vai em jeito de resposta,

TORTURA
Tirar dentro do peito a emoção
A lúcida verdade, o Sentimento!
E ser, depois de vir do coração,
Um punhado de cinza esparso ao vento!...

Sonhar um verso de alto pensamento,
E puro como um ritmo de oração!
E se, depois de vir do coração,
O pó, o nada, o sonho de momento...

São assim ocos, rudes, os meus versos:
Rimas perdidas, vendavais dispersos,
Com que eu iludo os outros, com que minto!

Quem me dera encontrar o verso puro,
O verso altivo e forte, estranho e duro,
Que dissesse a chorar isto que sinto!
(Florbela Espanca)
P.S. Este soneto foi-me dedicado por um queridissímo e comum amigo, ele não vai importar-se que o divida com a Alexandra
Beijinhos
Isabel

Maria P. disse...

Que belíssima escolha!

Beijinhos.

Paulo Sempre disse...

Dizeres Íntimos

É tão triste morrer na minha idade!
E vou ver os meus olhos, penitentes
Vestidinhos de roxo, como crentres
Do soturno convento da Saudade (...)" (Florbela Espanca)

PS: Antes de morrer fisicamente, Florbela apaga-se espiritualmente e, o que é mais desesperante, fá-lo ainda em vida, porque é no decurso da mesma que, decepcionada por completo, desiste de tudo e de todos, inclusive de si...

Boa escolha!
Gostei do blog
Paulo

ConchitaMachado disse...

Linda esta tarde no mar!
Belo este Poema de
Florbela Espanca.

Fim de semana alegre
com muito Sol.

Beijinho
ConchitaMachado

Papoila disse...

Cá estou de volta também Alexandra. Adoro Florbela e este poema diz-me muito. Se passares no campo, clica em amigos e vais ter uma surpresa. Beijinho

soniaA disse...

Belo poema. Bjinho de boa tarde Alexandra e um bom fim de semana.

de Matos disse...

Como sempre no teu melhor estilo, é uma excelente referencia e que palavras... belas..


bjs e bom fim de semana :)

Roderick disse...

Olá, amiga.
Voltámos mais cedo.
Ainda não sabemos no que vai dar.
Temos de regressar ao Hospital daqui a uma semana ou duas, depois dos resultados.
Ainda não acabou.
Beijinhos
Ana e Paulo

manu disse...

conseguiu ser muito mais ousada que muitos (a maioria) hoje.

Cadinho RoCo disse...

Ao entardecer dos versos o mar a declamar cores do sol.
Cadinho RoCo
www.balaiodeminas.com.br

Luisa disse...

Um fim de tarde como eu gosto a ver o sol deitar-se

the postman disse...

Só mesmo em mundos de fantasia... ou pelo menos assim se imaginas em dias que nada mais resta senao a fantasia.
Bom fim-de-semana*

Mikas disse...

Bom fim de semana

Mikas disse...

Bom fim de semana agora com link

A.J.Faria disse...

Olá, Alexandra!
Belo poema que nos deixas de Florbela Espanca!
Que também possa cair rosas do céu sobre ti!
Bom Domingo!
Bjs

APIUR disse...

Bom fim de semana Amiga,
Umbeijo,
Apiur

MoonLight disse...

Grande foto.
Grande poema.
Bjs de Luz

Tó Luis disse...

Olá Alex...
Primeiro de tudo um BIIIIIIIIIIIIIIIIG sorriso para ti...
Trago comprimentos de 2 pessoas para ti...
Van Gogh e Edvard Munch saudam-te , falei com eles em Madrid sobre a tua sensibilidade para a pintura e não só...mostraram um ar de arepio e disseram-me.... (hum... mais uma para pôr lenha na fogueira )ao que eu respondi...(esperem lá...comigo ela é tão...querida...e simpática , com voçês ela vai ser igual...qual é o receio óóóó Van....Munch...eles olharam para mim e piscaram-me os olhos...e sorriram...já entendi pelos vistos já falaste com eles???????
Jocas....

Por aqui as coisas continuam...fortes , transmites as emoções e a tua visão das tuas experiências com a praia com o mar com os momentos relaxantes em fim com os momentos que por vezes só nós mesmo é que entendemos o quanto amamos eles mesmo...

Beijinho Alex...voltei com 10.000 ideias para pintar...