segunda-feira, outubro 23, 2006

Palavras soltas

Salvador Dali, Thought, 1925
Espero pela noite, companheira desde sempre ... silêncio que somente é interrompido pela musica suave, estimulo para o fluir do pensamento.
Frida Kahlo, embora a grande maioria das vezes funcionando em registos opostos, tem uma frase adorável: "Para que presciso de pés quando tenho asas para voar?" Fruto de um sofrimento atroz, ainda consegue usar um dos mecanismos de defesa mais usados pelo Ser Humano.
Para usufruir de um pouco de paz interior, muitos de nós, tentamos "sair do corpo" para voar e, assim, simplesmente respirar... elemento esssencial à vida! Contudo, por maior que seja a mágoa, a "gravidade" mais tarde ou mais cedo, puxa-nos de volta ao mundo real. Aí teremos que voltar a sentir a dor. Nada melhor que esse estímulo para nos devolver à terra! É aqui que pensamos no que nos faz sentir mal, no que nos magoa ou, nos maguou. Urge a solução para voltarmos a ser o que eramos e não, a sombra do que fomos!
Mas, voltar a ser o que era? Será possível?
Tudo é mutável e, não seremos nós, humanos, que vamos ter a coragem de dizer o contrário. Sentimo-lo na mente, no corpo e na pele!
Caminhos traçados e percorridos que, por esta ou aquela razão, foram destruidos. Sentimentos que antes eram, mas deixaram de ser, porque qualquer acontecimento nos abriu os olhos, levando à tomada de consciência ...
Não! Os mesmos já não seremos! Melhores? Piores? Depende da forma como são vivênciadas as circunstâncias. No entanto, que é isso de melhor, ou pior? Subjectividade quanto baste! Para o próprio pode ser melhor porque assim se sente defendido, para os que o rodeiam pior, porque deixou de ser o que era. As respostas perante um mesmo estímulo deixaram de ser iguais...
Inumeras, são as vezes que ouvimos a palavra " esquece"!!! Resposta a essa palavra, quanto mais não seja porque o próprio acha que assim deve ser: "Esqueço tudo e volto ao que era." Tenta, desespera para conseguir, reune todas as suas forças com esse obectivo mas, depois de muito batalhar, acaba por voltar a perguntar: Porquê? Porque tenho que esquecer o que me maguou? Porque tenho que esquecer o que modificou os meus sentimentos se, de facto, eles sofreram uma modificação? Remeter para a profundidade do inconsciente já não é possível porque a consciência da acção está bem vincada.
Resta perceber o porquê da modificação, a aceitação desse porquê ou não e, em consonância, dar a resposta correcta, mesmo que para isso demore tempo. Um dia, uma semana, um mês, um ano, dois anos ... não interessa. O tempo necessário para, assimilar a própria razão que, não está isenta da emoção, segundo teorias bem fundamentadas do Prof. António Damásio.
O dia de amanhã, será ele próprio, os que se seguirem também... até ao dia da tomada de decisão que, pode ser NUNCA!!!

21 comentários:

Anónimo disse...

Não compliquemos tanto a realidade, ela está aí e é para ser vivida na sua plenitude. Para quê massacrar o sistema neurológico com tantos pontos de interrogação, se a vida é única e é para ser vivida com a maior intensidade! Ainda bem que acordamos de manhã! Só por isso já basta sermos felizes! Deixemo-nos de tantos lamentos, isso só envelhece ainda mais. Desejo que melhores, francamente! OPEN YOUR MIND!!!! ACORDA PARA A VIDA , ela está aí á tua espera para que faças os teus felizes, pq tu és o pilar da família, a tua filha e marido precisam de ti alegre, dá-lhes essa chance. Uma solidária!

meialua disse...

Olá amiga fiquei um pouco confusa em relação ao que querias... Porque falas-me em Evanescense e essa música já passou no meu blog há bastante tempo. Os últimos videos que la tive eram de Within Temptation... Não terás feito confusão?
Bem, não encontraste nenhum mail porque de momento estou sem Net em casa e só tenho acesso ao do trabalho pois os pessoais temos o acesso cortado. Se quiseres deixa-me o teu lá num comentário porque é mais fácil p eu n deixar aqui o do trabalho e talvez te consiga ajudar melhor...
Beijokas e boa semana*

Carlos Henriques disse...

Tu não és apenas especial...
Tu és essencial!
**beijos**

To Luis disse...

Olá Amiga Alex...

Bem , é verdade virei PINTOR VADIO (Risos), as explicaçôes estão algures na Galeria , em resposta á minha Amiga (Ana)...foi uma brincadeira...

Alex , tens aqui umas palavras da Frida que demonstram o quanto ela era uma força da natureza Humana...com tudo o que lhe aconteceu , ela lutava , lutava,lutava...entendes!
Agora , sonhar nunca fez mal a ninguém o sonho é constante mas quando caímos na realidade se calhar até é o sonho que está acontecer , é preciso ter vontade para isso , agora não quer dizer que eu sou assim...
Bjs Alex...já volto

Bia disse...

Amei este post.
"para que preciso de pés quando tenho asas para voar"... Precisamos de voar e só quando voamos temos a noção da realidade, pois quem não voa,não sabe nada...nem sequer conhece o desconforto de descer á realidade.
Nós vamos mudando consoante a vida e as pessoas que dela fazem parte, uns ajustes daqui outros dali, e ás vezes ao fim de tantos ajustes desajustamos tudo outra vez, porque queremos voar.
Um beijo

Tó Luis disse...

Oi Alex...

Acho que fazes parte da Galeria , acho não , fazes mesmo , foste das primeiras pessoas a entrar , e ficaste por lá , aquelas pinturas são sonhos para mim , também são realidades , são alegrias e alguma tristeza , tu acompanhaste-me este ano e tens uma pintura que foi minha , agora naturalmente é tua , também eu sou um felizardo por ter pintado para ti Alex...
Obrigado por teres ficado por lá...

Parabens por este texto ,esta construção de emoções , entre o sonho e a realidade é como uma montanha russa quando estamos a subir depressa estamos a descer logo de seguida , mas penso sempre que o sonho vive dentro da realidade...



Bjs Alex , tudo de bom

de Matos disse...

As vezes complicamos demais o que por vezes é simples... temos que ser praticos

bjs e boa semana :)

isabelnurse disse...

Olá amiga Alexandra,
Depois de uma desilu~são, nunca mais seremos os mesmos, fica o amargo de boca, resta-nos esperar para apaziguar a dor, mas a espera pode ser longa e vir da terra do nunca. Ou fazer de conta que tudo está bem, fazer de conta que amamos, fazer de conta que somos felizes, fazer de conta até um dia, quem sabe, um dia o faz de conta se torna realidade.
Sabes a história do "Abre os Olhos e Vê aí bem juntinho?" quem sabe?
No mundo do sonho um dia entra a realidade, sorri espera apenas e só que queiras ser feliz!
Beijos
Isabel

Pluma(princesavirtual) disse...

Sou uma fã de Frida...e adorei este teu post.

Beijos :)

AnaGarrett disse...

Essa fase do Dali pouca gente conhece.
Foi a Frida Kahlo que disse isso?

Beijos

AnaGarrett disse...

Admirei-me porque é uma frase muito conhecida e, sou honesta, sobre o trabalho, a vida e história de Frida são-me quase totalmente desconhecidos.
Sei quem é, o que foi ara a pintura mexicana, o seu sofrimento e graças a iso começou a pintar. Não se considera surrealista...
!!!!
Bem. parece que sei algo mais do que pensava, sinceramente, mas não sabia que foi ela a dizer essa frase.
O que é engraçado é que não aprecio a pintura dela, quando é um estilo que normalmente me costuma fascinar.
Acho-o cru na sua violência. Ou seja, choca-me. Mas compreendo-o. Mostra o seu sofrimento, a sua vida.
Mas não deixa de ter grande valor como mulher e pintora, claro.
É como a Paula Rego.
Gosto imenso, mas choca-me.
Talvez me falte a "loucura" no meu pintar para um dia chegar aos pés delas. Ou a vivência dramática.
Cada um de nós pinta conforme os sentimentos do momento.
Quando estou mais em baixo ou com problemas uso uma paleta de cores mais escuras.
Quando estou feliz uso outra paleta de cores.
Hoje vou colocar um quadro que fiz quando nasceu o Sebastião, para oferecer ao meu médico.
Aí perceberás o que estou a dizer.


Beijos, amiga

Cadinho RoCo disse...

Toda volta é feita de nova ida. Se é assim, só voltamos seguindo em frente.
Cadnho RoCo
www.balaiodeminas.com.br

doistons disse...

Passei e gostei. Muito! Um blog a reter e a permanecer.Parabéns! Voltarei.
Bom dia. Beijos

Papoila disse...

Olá Alex:
Gostei deste texto que me tocou profundamente... é que mesmo com raizes fortes voo demasiado... a tomada de decisão? Uso um guião... de 7 etapas... em tudo na vida... (deformação profissional ?)
Beijo

redonda disse...

Gostei muito do quadro de Dali que não conhecia e fiquei a pensar nas palavras...o passar do tempo ajuda e às vezes recupera-se o que se pensava estar perdido, como o ser capaz de reviver as boas recordações sem que a dor o impeça. Não quero esquecer nada, nem a dor e penso que é possível ter paz sem esquecer.
Um beijinho

Isa&Luis disse...

Olá amiga querida,

Amei o post,

"para que preciso de pés quando tenho asas para voar"...

vi o filme de sua vida, mulher com ideias avançadas para a epoca.

A vida é feita de mudanças, deixa a tua alma voar...

Beijinhos

Isa

Isabel José António disse...

Cara Amiga Alexandra,

Este seu texto (muito bem escrito e ordenado) levar-nos-ia a um compêndio de conhecimentos que não queria ter a pretensão sequer de possuir. Mas vou tentar dizer algo que lhe sirva.

A constituição do Ser Humano, não é, como nos disseram "Corpo, Alma e Espírito"

Os níveis de vibração da matéria são vários (dos densos- rochas- até ao nível subtil (o éter). Tudo vibra em diferentes planos que se interpenetram (deveriam ver-se as questões que a Física Quântica levanta pois já não se fala de matéria mas de partículas infinitesimais que são consideradas apenas como probabilidades).

Grosso modo poderemos dizer que existem dois "Eus" em cada ser humano. O EU SUPERIOR (onde cabe uma espécie de centelha divina ou átomo permanente, a intuição, etc). e o EU INFERIOR. O Superior todo ele é Paz, Harmonia, Amor, Compaixão e tal como na Física das Partículas ele sabe que todos estamos ligados a todos e todos fazemos parte de tudo. Rejeita-se a separatividade. Tudo e todos são apenas ramos duma grande e mesma árvore.

O Inferior pensa que ele é que é o ÚNICO EU. Toma a peito todas as ofensas, toma o "Eu e os outros" como estando separados, retalia, nunca se fica sem resposta, tenta a todo o custo "sobreviver". Genericamente chama-se-lhe (Ao EU INFERIOR) a personalidade. É ele que compara, que inventa guerras, quer posses, poder, domínio. Enquanto não se compreender isto perfeitamente, a Alexandra, e todas as Alexandras do mundo, quando sentirem na sua personalidade essa sensação de perda, pelos mais diversificados motivos (falta de amor, compreensão, ser deixado para trás no emprego, uma traição conjugal, uma desfeita que nos foi feita, um desastre que nos modifica a vida, etc, etc)sentirão sempre uma espécie de tristeza, de falta, de perda.

Mas trata-se de uma ilusão. Todas as coisas que nos acontecem, acontecem por qualque razão. Para que possamos aprender com isso.Para que não maisd fujamos dessa ou daquela situação e a enfrentemos. Numas vezes dá jeito ter coragem; noutras é é preciso o silêncio; outras é a abrir os olhos.

Quando nos sentirmos assim devemos parar. Tentarmos ouvir-nos a nós mesmos. Sentar num canto a sós. Fechar os olhos e respirar profundamente (como os médicos nos mandar fazer quando nos auscultam). Nem que seja 5 ou 10 minutos.

Dessa paragem poderá nascer a compreensão sobre o motivo pelo qual nos sentimos magoados, ou melhores ou piores que os outros. Tudo isso apenas um ilusão da nossa Mente. O EU SUPERIOR está a milhas disso tudo. Quer Paz, amor, sabedoria, compreensão e colaboração (ou interconexão tal como nas partículas da Física Quântica). Porque nós somos como as partículas da matéria quântica. E somos também a matéria que vibra mais grosseiramente.

Anime-se. Certamente encontrará dentro de si aquela reserva de energia e discernimento que lhe dará ânimo e força para deixar que o seu Eu SUPERIOR lhe fale. E lhe diga, ou ilumine, o seu caminho.

Peço-lhe desculpa, desta longa "converseta" como diriam os da "Conversa da Treta".

Nós somos aquilo que criamos. Crie para si o belo, a paz, a serenidade, o amor. Se não fôr por mais ninguém um grande amor por si mesma.

Muitos beijinhos.

José António

PS:

Se gosta de ler deixo-lhe aqui uma "dica" para um livro que rasga horizontes:

Título:
"Nós, a Partícula e o Universo"
Editora:
ÉSQUILO
Autor:
Basarab Nicolescu (Físico)

Pnde a Ciência e Espiritualidade se encontram e podem colaborar.

meialua disse...

Amiga venho deixar-te uma beijoka grande e dizer-te até breve...

xano disse...

Olá Alexandra,

Belo texto este onde me revejo também.
Insistimos em demasia (mas como evitar?) em procurar todas as respostas a essas perguntas, desgastando-nos, massacrando-nos, enfim, impedindo-nos de prosseguir a caminhada.
Estou 100% de acordo com o primeiro comentário aqui deixado.
Urge reagir! Acreditemos que o dia de amanhã será melhor do que o de hoje!!

Bjs

Marco António disse...

Asas de tempo que recordamos, faz parte de esse Eu que se encontra em cada um de nós, e que por vezes tentamos fugir, escapar deste mundo real, mas este caminho temporal que se torna intemporal depende da nossa vontade de Ser: por vezes não vemos aquilo que somos, e tentamos pensar como agir, em vez de agir como pensamos. Esta é a grande diferença: o tempo não se apaga, a memória pode não lembrar, mas não esquece cada momento vivido.
A vida voa e devemos aproveitar cada momento, cada instante com o fluir do tempo de forma apaixonada sem medo de viver.

DE PROPOSITO disse...

Cada momento que passa a nossa vida vai se alterando. Uma seta partindo do arco quando chega ao destino, já não é a mesma seta. E connosco é a mesma coisa. a própria existência nos vai moldando a cada segundo que vai passando.
Beijinhos para ti.
Manuel