terça-feira, fevereiro 27, 2007

Reflexão

Todos nós temos uma carga genética que nos dá as mais variadas hipóteses ao longo da vida. O mundo que nos rodeia pode influenciar de sobremaneira as escolhas posteriormente feitas, no entanto, a essência de cada um de nós permanece inalterada. Poderão existir alturas em que, pelas mais variadas razões, nos afastamos de nós próprios, só que e lembrando palavras que me foram endereçadas, cada um de nós pode, em determinada altura, ser o farol para o despertar do que estava “esquecido”… Com a ajuda especial de um grande AMIGO e as palavras sábias de outros, pude descobrir de novo a tão grande divergência de linguagens que nos podem ser queridas e que fazem emergir a “Força” para perceber que afinal não estamos assim tão sós. Mesmo os que já não estão entre nós, nos deixaram legados impressionantes, dos quais podemos retirar tanta informação!




A Música, seja ela qual for, dependentemente de cada um de nós, é de uma riqueza impressionante, onde se pode descobrir os mais diversos sentimentos e, porque não ensinamentos?? As diferentes formas de tocar, as diferentes formas de escrever através de uma linguagem que pode não ser acessível à maioria de nós, mas que traduzida por quem sabe, nos pode proporcionar descobertas explêndidas.


A Escrita, poética ou não, proporciona não só vastos conhecimentos como também uma boa forma de nos deixarmos levar para um mundo “encantado” oriundo de outra mente. Identificando-nos ou não, é mais uma porta aberta ao outro e a nós mesmos…



Saint-Paul Hospital, Van Gogh




20 comentários:

TINTA PERMANENTE disse...

Concordo. Seja qual for a forma usada para a expressão ela sempre transporta em si como parte da substância de que é feita... em nós!
Abraço!

Isabel José António disse...

Cara Amiga Alexandra,

É muito bonito e verdadeiro este seu post. As afirmações são a singularidade para descobrirmos (ou redescobrirmos) a ESSÊNCIA.

Transcende-te por sobre o mar
Abre a tua porta ao desconhecido
O Sol, a brisa, a flor, o ar
Faz de todos eles um amigo

Uma boa terça-feira.

Um grande abraço

José António
Cada Ser podeo teu dilecto amigo

Quer gostemos dele ou não

Daniel Aladiah disse...

... and may the force be with you.
Um beijo
Daniel

elsa nyny disse...

Olá!
Passei por cá!
Adorei! E voltarei!
Muita força pa ti!
:)

Pedro Branco disse...

Cheguei a casa e comecei o meu deambular blogueiro que mais ou menos diariamente me vai serenando o anoitecer... E, como acontece quase sempre, um dos comentários que escrevi transformou-se num post. Depois abro a tua "casa" e... leio as mesmas coisas, com outras palavras. Lindo.

Beijo.

Diafragma disse...

Muito interessante esta tua reflexão, e muito verdadeira. E haverá certamente outras artes a juntar a estas, como o Teatro, a Escultura, a Dança etc.
Penso no entanto que há uma diferença na forma como cada uma nos "entra" e nos faz vibrar. Tenho para mim, não sei se erradamente mas verifico ser opinião corrente, que a música é a que mais influencia o organismo de forma mesmo física e directa, a ponto de, apenas como som, poder ser usada em terapia ou em tortura.
Mas para além disso penso que a forma como cada um encontra o seu "nicho" de equilíbrio tem muito a ver com as suas características genéticas que referes.
Uma genética mais virada para os sentidos, mais sensorial, dificilmente será tocada pela Literatura por exemplo. Essa funciona mais no domínio da intelectualidade.
Isto não quer dizer obviamente que muitas pessoas não sejam afectadas por muitas das formas de arte.
Como em tudo, é preciso abertura de espírito para "dar o salto" e nunca virar as costas a nenhuma forma de Arte.

Lá dizia o Einstein num post teu recente:
"Sempre que uma mente se abre a uma ideia nova, nunca mais volta ao estado inicial"

MARIA VALADAS disse...

Gostei desta tua " REFLEXÂO"...

Está brilhante!

Momentos de reflexão...nesta tua " REFLEXÂO!

Adoro ler-te!

Bejo da
Maria

Jorge Moreira disse...

Olá Querida Amiga,
Já tinha Saudades de te visitar...
Lindo post que toca as Artes.
Beijinhos,

mjose disse...

Olá Alexandra,

Chegar aqui, convida à reflexão, neste ambiente de serenidade.
Sempre senti que palavras, musica, e imagem, se interligam e podem completar-se, sem detrimento ou prejuizo de umas em relação às outras!
Como na vida... é preciso algum talento e...arte!
Mas, tem que sentir-se ou não se encontrará!
Que bom estar aqui!
Obrigada.

Beijinhos,

david santos disse...

Olá!
Belo!
Tudo belo!
Parabéns

Isa&Luis disse...

Olá Querida Alexandra,

Linda a tua reflexão, cuidamos da nossa essência com carinho e força. É sempre tempo de recomeçarmos a caminhar.

Muitos beijinhos

Isa

Bruxinhachellot disse...

A arte e suas difersas formas de expressão faz-nos conhecer um pouco da mente do artista, seus valores, seus sonhos e nos liga intimamente.

Beijos na palma da mão.

Cadinho RoCo disse...

Tudo porque usufruimos da compreensão capaz de distinguir apurar e elevar nossos sentimentos.
Cadinho RoCo

meialua disse...

Concordo, existe sempre um modo que cada um de nós tem de se expriimr e "extravassar" melhor :P

Beijokas

Equipa 6minutos.com disse...

Olá Alex,

Somos um conjunto de bloggers independentes e criamos um blogue único: 6minutos.com, que, divido por secções, aborda variados temas: Notícias, Artes e Letras, Internet, Tecnologia, Automóveis, Viagens...

Até já!

RPM disse...

então Alexandra....

força. força. força.....

beijo amigo

RPM

Pepe Luigi disse...

Perfeitamente de acordo. Qualquer maneira de nos exprimir encerra sempre uma essência de nós próprios.

Um beijinho
do Pepe.

antonior disse...

Olá, Alexandra!

Sempre que expressamos o mistério que nos habita e as formas, por vezes, paradoxais de nos relacionarmos com ele, através de um qualquer meio estético, usando ferramentas feitas de impulsos, comunicamos com os outros num estágio para além do comum e a elevação processa-se....:-)

Beijos

LARA disse...

Bonito e de grande sensibilide.
Parabéns

redonda disse...

Uma ideia bonita a de podermos retirar da música, da leitura e da arte a compreensão de que não estamos sós.
Um bom fim-de-semana e um beijinho (gosto de vir aqui: logo ao chegar quando começo a ouvir o Freddy Mercury, parece-me familiar e acolhedor)