quinta-feira, julho 06, 2006

These Are the Days of Our Lives



Era uma vez...

Hoje posso dizer que era uma vez. Esta bela casa que aqui se vê, fazia parte de uma das mais belas vistas que Lagos (Algarve) tinha, quer estivessemos em terra, quer no mar. De ambos os lados se vê, qual farol emergente da rocha.

Pertença em tempos, pelo que sei, de famílias abastadas, é um lugar do qual guardo belas recordações, nas mais variadas situações e idades.

Foram muitos os caminhos que me levaram até ela. Uns melhores, outros piores, mas todos pertencentes à infância e adolescência. Aquele tempo da nossa vida em que achamos que tudo será conseguido, mesmo os mais recondidos sonhos. Muitos foram conseguidos, uns a pulso, outros mais facilmente, mas o que importa é que se atingiram os objectivos pretendidos.

Mas... como em tudo existe um mas... o tempo trata de modificar as coisas e, modificar-nos a nós próprios, consoante a experiência de vida que vamos ganhando.

Este é o suporte da casa que vos mostro em cima. A rocha bruta, foi cavada e mãos humanas construiram esta espécie de fortaleza. Esta seria, supostamente, em tempos idos, a entrada particular da família para a praia, uma bela enseada que se forma com águas bem limpas quando o mar está calmo. Há também muitos anos que esta entrada deixou de ser privada, para ser pública.

O som das ondas a baterem na rocha torna-se estrondoso, água e espuma sobem por estas paredes... ... ... muitas vezes vi e ouvi este espectáculo, inumeras foram as noites em que acompanhada, fiz deste lugar o meu próprio planetário, com o som adicionante da água e subir, docemente pela areia. Agora, olho para esta beleza e vejo, o que ela me queria transmitir também...

Hoje, esta bela casa foi remodelada, segundo os nossos padrões arquitectónicos actuais, perdendo todo o encanto que dela emanava!

Já Luis Vaz de Camões dizia...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança;

Todo o mundo é composto de mudança,

Tomando sempre novas qualidades.

..........

..

Fotos de autoria de Carlos Vieira. Todas elas remontam aos anos de 1980's.


22 comentários:

MoonLight disse...

Bem... Como tudo o que se transforma na vida, algo de bom há-se surgir! Basta estarmos atentos! Gostei do post! Bjs de Luz

DE PROPOSITO disse...

Era uma vez...
Beijos.
Manuel

RPM disse...

olá amiga Alexandra!

que penhasco bem alto...

um abraço

RPM

Pluma(princesavirtual) disse...

Esta casa fica por cima da praia do pinhão?? Conheço uma ai... pq se é essa eu já estive lá...nessa casa de antigas familias abastadas. Beijoss

Pluma(princesavirtual) disse...

Esta casa fica por cima da praia do pinhão?? Conheço uma ai... pq se é essa eu já estive lá...nessa casa de antigas familias abastadas. Beijoss

Alexandra disse...

PLUMA:

Muito obrigadda pela visita minha Princesa :))) querem lá ver que já trabalhei para V. Eminência e não sabia???? Lollll

É sim, a casa fica mesmo por cima da praia do Pinhão. Eu disse no meu post, que seria residência de famílias abastadas, mas também disse que não conhecia, são apenas informações que tenho de família, visto todos serem naturais de Lagos e Praia da Luz. Brinquei e conheci a casa anterior a esta, que fica no inicio da descida para a praia (uma casa amarela e, por sinal, linda) Já agora andei na escola primária que por lá viste com certeza lollll.
Voltando ao que me trouxe aqui, não conheço ninguém da família a quem pertence a casa, procurei na net, porque me disseram que era agora Turismo de Habitação, mas nada encontrei. Se sabes algo mais, ou estou a fazer uma história errada quanto a pp casa, diz-me para que possa corrigir.

Até... princesa felizarda!

Beijossssssssssssssssssssss

GNM disse...

É belíssimo sitio...
Deve ser uma sensação única, adormecer
com a sinfonia das ondas
que batem nas rochas...

Sorrisos...

Pluma(princesavirtual) disse...

Olá Alexandra,

um lapso meu e algumas correcções e informações.

Pelo que sei a casa da foto não é essa casa antiga (pelo menos não é centenária).

Em frente aos bombeiros, colada com os apartamentos do pinhão, no inicio da rua que dá acesso à praia do pinhão existe sim uma casa centenária ( não sei se amarela neste momento) que foi um antigo convento. Pertence ainda à familia que dá o nome à rua. Não sei se está neste momento transformada e recuperada para turismo de habitação. As ultimas informações que tinha, era que se encontrava em partilhas complicadas, estando parte da casa votada qase ao abandono (essa parte mais abandonada, claustros, jardins, entrada principal não se vê da rua...).
Todos os terrenos que vão desta casa à praia e até à Ponta da Piedade (onde foi erguida uma grande urbanização) pertenciam a esta familia abastada.

A casa que mostras na foto pelo que sei, foi construida segundo consta com base em algumas influências no «poder local» e à revelia do que se pode considerar legal (no que diz a protecção ambiental).

Isto é tudo o que sei...julgo que não estariamos a falar das mesmas casas!!!

Beijos e bom fim-de-semana :)

Pluma(princesavirtual) disse...

epa acho que afinal falavamos da mesma casa amarela... e acho que ambas a conhecemos :D

hmmmm que interessante!!!

Ps estava a ler melhor o teu comentário e fiquei com essa sensação!!!

Janelas da Alma disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Janelas da Alma disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Janelas da Alma disse...

Olá Alexandra,

Obrigado pela tua simpática visita e comentário.
Gostei imenso do que aqui tens postado!...Em particular, este tópico fez-me recordar os tempos que eu passei em Lagos, nos anos 80, com todos os pormenores da sua beleza. Uns anos depois voltei lá, e a exploração desenfreada do turismo chocou-me. Ainda não tornei a voltar lá. Quero ficar com a memória das Arrobeiras, a caminho da Vila, pelos atalhos dos montes, e do Mercado, e do cheiro do mar...
Obrigado pelas memórias!...Tudo se transforma, para melhor ou pior, dependendo da nossa percepção.

Esqueci-me de acrescentar que passei muitas noites nessa mesma praia do pinhão, adormecendo ao som do mar, embalado pelo balançar das estrelas, quando ainda se podia lá estar em paz!...
Beijinhos,

Nuno

3:54 PM

Alexandra disse...

Pluma:

Ó minha linda Princesa lollll pelo que me dizes, estamos a falar da que eu chamo casa amarela. Sempre o foi, desde os meus 6 aninhos :D. É verdade, os jardins e muuuuuita coisa não se vê da rua. Mas... eu conheço tuuuuuuuuudo dessa linda casa ;) Brinquei inumeras vezes naquele palácio maravilhoso! E de facto todos os terrenos que vão da casa até à Ponta da Piedade são/eram desta família. Estivemos as duas, portanto, na mesma casa em tempos diferentes. Pelo que conheço, não admira que as partilhas sejam uma complicação do outro mundo. Quando lá fôr, trago uma foto da dita :)

A outra, como dizes e muito bem, está dentro do domínio marítimo, logo... nunca poderia ali estar. Sabemos que muito envolveu a construção de tal habitação... eu é não abordei esse tema ;)

Beijossssssssssssssssss

Isa&Luis disse...

A saudade bateu à porta?
Um beijo
luis

RPM disse...

bom dia e bom fim de semana...

beijo

RPM

isabelnurse disse...

Olá Alexandra,
cá estou eu, a Isabel, já percebi que ambas adoramos o sentido de humor do Paulo.
Eu vou respondendo, adoro o jeito brincalhão, quase infantil que ele tem de nos provocar.
Estou apenas à espera da resposta dele para enviar a (parte 2).
Já agora, como não tenho blog, fique com uma ideia minha:
Isabel, 38 anos, enfermeira, 2 filhos,(13 e 8 anos, os meus dois amores) .
Gosto de ler, pintura (deve ser por isto que gosto tanto do Paulo),
viajar e sou uma romântica incorrigível. Claro não suporto uma gracinha contra nós mulheres, sem a devida resposta.
Beijos, eu vou aparecendo.
Isabel

Alexandra disse...

Obrigado por cá aparecer Isabel.

A única coisa que difere de si é que só tenho uma filha de 10 anos e, mais uns aninhos, mas... tal como diria o RPM, nada de importante :))

Estou 100% de acordo consigo e mais não digo, porque posso ser definitivamente expulsa daquele blog tão engraçado.

Mas... tenho a certeza de uma coisa. Se nos apanhássemos as duas sem ninguém a ver/ouvir... a casa vinha abaixo lololollllllllllll

Apareça sempre, terei todo o prazer!

Beijinhos

isabelnurse disse...

Alexandra, parece-me que não há perigo de sermos expulsas... eles não sabem viver sem nós!
Sabe o que era giro? Nós as duas conseguirmos um jantar/almoço, com estes dois maravilhosos malandros, bem um deles sabe cozinhar,o outro parece-me mais perigoso cirurgião, ainda nos fazia uma laparoscopia..., bolas! depois veríamos quem vencia esta batalha?!
Prepare-se que eu já tenho a resposta (parte 2) feita, não perdem por esperar!
Beijos
Isabel

Alexandra disse...

"eles não sabem viver sem nós"... a quem o diz Isabel...

A sua ideia é MAGNÍFICA! Almoço/jantar já tinhamos ( há um q sabe cozinhar) o outro malandro... bem, que ele é perigoso é, mas em companhia do outro malandro, suspeito que se entenderiam. :)))) Nós levávamos as flores com cartão, que acha????? :))))

Quanto a ganhar a batalha... tanto eu como a Isabel sabemos quem a ganharia!!!! ;)

É desta Isabel... vou ser expulsa dos dois blogs :)))))))

Quanto à parte 2, já sabe, assino por baixo!

Beijo!

isabelnurse disse...

Alexandra,
voltei, olhe que o outro é mais perigoso, mas não esqueça que eu sou enfermeira, logo o nosso querido cirurgião ia precisar ser assistido, para fazer a cirurgia, quem o ia assistir, a Isabel, claro, com jeitinho conseguia boicotar o malandro.
Mas pelo que penso dele, gentil, cavalheiro, um verdadeiro princípe, não teriamos batalha e ele levava as flores!!!
Bom, na verdade com ou sem batalha venciamos nós, eles não querem mas são mulher-o-dependentes!!! ahahah!
Isabel

Alexandra disse...

Isabel,

só o que eu já ri sózinha lollllll é que temos aqui algo do nosso lado, como não podia deixar de ser, obviamente... você é enfermeira e, desgraça das desgraças, para eles... eu sou psicóloga lollllllll tadinhos deles!!!! ahahahahhahah

Desta forma então, era glória completa ahahahahha

Ai Isabel, que desgraça... somos corridas mesmo com a dita dependência... lololollllll

Volte sempre!

Beijos

Tó Luis disse...

Olá Alex...
Recordar nem sempre pode fazer bem , os momentos belos do passado podem ser recordados quase como um pedido de retorno a ele mesmo!
São pensamentos marcantes , saudades de outrora que o tempo se encarrega de as modificar , pela experiencia corrente da vida...o ontem...o hoje ! é melhor mesmo é ficar por...cá...
Adoro a forma como te transportas para um ontem e a imagem que dás parece que foi apenas...ontem dia 8 de julho de 2006...
Beijinho Alex...